.............

      Seja bem vindo

      Quem somos

      O que cremos

      Pastoral

      Boletim Semanal

      Boletins Anteriores

      Nossos Líderes

      Agenda

      Artigos

      Links

      Fale Conosco



Algumas Características do Líder Cristão

ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DO LÍDER CRISTÃO

 

INTRODUÇÃO

Ouvi de um líder cristão muito respeitado a seguinte expressão: "A pior coisa que pode haver, é ser subalterno de quem não presta". Isto me fez pensar no sermão proferido por Jesus e que está registrado em Mateus 5 a 7, também conhecido como a ética do cristão. Lá o Senhor Jesus traça o perfil do cristão e afirma categoricamente que nós somos a luz do mundo e o sal da terra.

Interessante como quase dois mil anos depois, nos esquecemos do padrão de líder traçado pelo Senhor Jesus, e estabelecemos como padrão de lideres para a igreja, empresários ou executivos bem sucedidos nos negócios. Será que a Bíblia, a Palavra de Deus, não tem exemplos suficientes que possamos estabelecer como padrão a ser seguido? Será que o padrão de líderes segundo o coração de Deus mudou tanto desde o início da igreja neotestamentária?

Quero traçar em poucas palavras o que penso a respeito do líder que verdadeiramente agrada a Deus, e como a liderança atual da igreja está longe do ideal de Deus.

 

I – CAPACIDADE DE VIVER A VONTADE DE DEUS

É fundamental que o verdadeiro líder conheça e viva a vontade de Deus. É importante que ele tenha em mente que só está no lugar que está, porque Deus o colocou lá. Tem que saber que sem Deus, sua posição é vulnerável e insignificante. Por mais que ele realize, sempre vai ser com a ajuda de Deus.

O grande exemplo do líder que sabe viver a vontade de Deus, nos é dado por José. Vejam o que ele diz aos seus irmãos: "Disse José a seus irmãos: Agora, chegai-vos a mim. E chegaram-se. Então, disse: Eu sou José, vosso irmão, a quem vendestes para o Egito. Agora, pois, não vos entristeçais, nem vos irriteis contra vós mesmos por me haverdes vendido para aqui; porque, para conservação da vida, Deus me enviou adiante de vós. Porque já houve dois anos de fome na terra, e ainda restam cinco anos em que não haverá lavoura nem colheita. Deus me enviou adiante de vós, para conservar vossa sucessão na terra e para vos preservar a vida por um grande livramento. Assim, não fostes vós que me enviastes para cá, e sim Deus, que me pôs por pai de Faraó, e senhor de toda a sua casa, e como governador em toda a terra do Egito." (Gn 45:4 a 7).

O líder verdadeiramente comprometido com a agenda de Deus desenvolve a capacidade de viver a vontade de Deus. Ele não manipula, não briga, não procura se impor e nem tampouco exige submissão dos seus liderados. Ele é respeitado simplesmente pelo seu exemplo silencioso de submissão à vontade de Deus. Ele orienta sua vida pela perspectiva de Deus.

 

II – CAPACIDADE DE COMPREENDER A SOBERANIA DE DEUS

Pior que ser subalterno de quem não presta, é ser liderado por quem perdeu a visão da soberania de Deus e se julga indispensável no serviço do Reino. Quem pensa assim age com crueldade, persegue, demite, mente e manipula. O Rev. Charles Swindoll fala deste tipo de liderança "Estou eu no lugar de Deus?", perguntou-lhes José. Se ele fosse um homem menor, poderia ter desempenhado o papel de "rei da montanha" e usurpado o lugar de Deus. "Os assassinos da graça" fazem esse tipo de coisa. Eles exploram o poder que possuem sobre outros. Jogam um jogo carnal quando encurralam alguém, alguém vulnerável, que está à sua mercê."[1] (grifos meus).

Parece comum o fato de alguns líderes perderem a visão da Soberania de Deus quando assumem papéis mais importantes dentro da sua denominação. "O que será que leva alguns a nos tornarmos pequenos "imperadores" quando chegamos ao "trono" da liderança? Antes de mais nada, o que nos faz dar tanto valor a tronos? Assim que assumimos um cargo de liderança, com surpreendente rapidez nos esquecemos de que a autoridade vem somente de Deus. Esquecemos que não somos os donos do nosso cargo, e que nunca o seremos; que Deus pode destituir-nos no momento em que julgar necessário. Por que é tão difícil os líderes reconhecerem seus erros e deixarem que a situação lhes ensine mais uma vez o que de fato significa arrepender-se? A transparência nos parece tão assustadora! Parece que temos a impressão de que, de alguma forma, as regras são diferentes para nós."[2]

É extremamente arriscado quando o líder perde a visão de que Deus é soberano. A história está aí para comprovar este fato. Muitos líderes têm caído por se julgarem donos da situação e manipularem decisões de acordo com sua agenda pessoal, esquecendo-se da agenda maior de Deus para sua vida e sua denominação.

 

III – CAPACIDADE DE VIVER COM INTEGRIDADE

A capacidade de manter-se íntegro é o mínimo que Deus espera do líder. Integridade significa ter pureza ética, moral e espiritual. Não burlar as leis, não dar jeitinho para que seus projetos pessoais sejam realizados. Não mudar a regra do jogo em benefício próprio. Não subverter o direito do outro, ser verdadeiro. O Dr. Russell Shedd fala com muita propriedade sobre isto: "O líder que mente, que exagera ou que esconde a verdade não tem direito algum de controlar a vida de outros. O homem que mantém-se fiel à verdade em todas as circunstâncias faz com que seja fácil para alguém confiar nele. Em todos os relacionamentos humanos, a mentira, a decepção, as promessas falsas e os contratos não cumpridos, promovem, todos, à desconfiança. E a desconfiança, no topo da organização, é como uma rachadura em uma parede ou uma fenda em uma represa." [3]

Parece que o espírito da pós-modernidade tem influenciado a liderança eclesiástica de tal forma, que não se vê muita diferença entre um líder cristão e um líder político secular. Gene Edward traça um perfil desse tipo de liderança pós-moderna: "A única outra alternativa é jogar os mesmos jogos do resto da sociedade. Aqueles que acreditam que todos os relacionamentos sociais são máscaras para o poder poderão se tornar eficientíssimos exercitadores do poder. Desabusados dos ideais tradicionais que limitam o poder – tais como crença na verdade, integridade individual e moralidade objetiva – os pós-modernistas poderão adotar um jogo de política de tipo implacável. Os políticos pós-modernistas, dado seus pressupostos filosóficos, poderão alterar irresponsavelmente a verdade (visto que não existe a verdade); alterar o que dizem de acordo com o público (visto que cada grupo tem sua própria realidade) e fazer todo o possível para promover a agenda de seu grupo e esmagar a de seus adversários (visto que não existem ideais além de um pragmatismo maquiavélico a não ser o do poder)". [4]

Lamentavelmente este tipo de comportamento ameaça todos os concílios de nossa igreja. Líderes comprometidos única e exclusivamente com seus projetos pessoais, com o desejo de escrever seu nome na história custe o que custar. O rev. Arival Dias Cassimiro escreve: "O momento histórico da igreja é de apatia. Grande parte da nossa liderança "oficial" está comprometida com empregos e cargos (fisiologismo). Muitos só votam e decidem pensando nos seus próprios interesses. Não se reúnem mais em torno de idéias, mas de interesses." [5] Isto se chama, em outras palavras, crise de integridade. Nossa liderança está vivendo a crise da pós-modernidade, e é preciso reverter urgentemente este processo.

 

CONCLUSÃO

Pelo exposto acima, quero crer que o padrão de Deus não é o de uma liderança bem sucedida na esfera secular. Deus não está a procura de executivos ou empresários que possam trazer sua experiência na esfera dos negócios (mesmo porque igreja não é negócio) para enriquecer a administração ou o planejamento estratégico da igreja, como fazem as empresas que dependem do marketing ou da estratégia para sobreviver. Deus está a procura de líderes, homens e mulheres, que tenham compromisso com a vontade e a soberania de Deus e, também, com uma vida íntegra e reta. Resumindo: Deus está a procura de líderes que desejem orientar a sua vida pela perspectiva de Deus. Que Deus tenham misericórdia da sua igreja e da sua liderança.

 

                                                Rev. Geraldo Silveira Filho

Pastor da Capela Presbiteriana de Anápolis e Relator da CSM/IPB - Comissão de Organização, Sistemas e Métodos da Igreja Presbiteriana do Brasil.



1. Swindoll, Charles R. – José – Um homem Íntegro e Indulgente, pg. 260, Editora Mundo Cristão, 2000

2. Strong, Jouce – Líderes à beira do abismo, pgs 37 e 38, Editora Betânia, 1999

3. Shedd, Russell P. – O líder que Deus usa, pg. 89, Editora Vida Nova, 2000

4. Veith Jr, Gene Edward – Tempos pós-modernos, pg 77, Editora Cultura Cristã, 2000

5. Cassimiro, Arival Dias – Jornal O Mediador, ano 1, nº 02, pg 3, abril/2000